Partido Nacionalista Democrático

 


 

O NACIONALISMO
 

"Não busquemos o caminho de volta à situação colonial.

Guardemo-nos das proteções internacionais.

Acautelemo-nos das invasões econômicas.

Vigiemo-nos das potências absorventes e das raças expansionistas.

Não nos temamos tanto dos grandes impérios já saciados, quanto dos ansiosos por se fazerem tais à custa dos povos indefesos e mal governados.

Tenhamos sentido dos ventos que sopram de certos quadrantes do céu.

O Brasil é a mais cobiçável das presas; e, oferecida como está, incauta, ingênua, inerme a todas as ambições, tem, de sobejo, com que fartar duas ou três das mais formidáveis.

Mas o que lhe importa é que dê começo a governar-se a si mesmo; porquanto nenhum dos árbitros da paz e da guerra leva em conta uma nacionalidade adormecida e anemizada na tutela perpétua de governos, que não escolhe.

Um povo dependente do seu próprio território e nele mesmo sujeito ao domínio de senhores não pode almejar seriamente manter a sua independência para com o estrangeiro.

Eia, senhores!

Mocidade viril!

Inteligência brasileira!

Nobre nação explorada!

Brasil de ontem e de amanhã!

Dai-nos o de hoje, que nos falta!

 

RUI BARBOSA
Oração aos Moços
Discurso de Paraninfo
Aos Bacharelandos de 1920 da Faculdade de Direito de São Paulo
29 de março de 1921

 

Voltar ao Portal

 


 voltar ao topo da página